EVOLUÇÃO DE ENFERMAGEM 01

ESTE É UM EXEMPLO DE EVOLUÇÃO DE ENFERMAGEM NO SETOR ONDE EU ESTOU REALIZANDO O MEU INTERNATO, SABEMOS QUE NA VIDA REAL NÃO CONSEGUIRÍAMOS DAR TODA ESSAS INFORMAÇÕES DETALHADAS, MAS ENQUANTO COMO ESTUDANTE EU POSSO, E POR ISSO EU ESTOU POSTANDO ESSE EXEMPLO... NÃO PARA QUE COPIEM, MAS PARA AJUDAR A TER UMA IDÉIA DE COMO MONTAR UMA EVOLUÇÃO... ESPERO QUE GOSTEM, ESTE PACIENTE SOFRE DE INSUFICIÊNCIA CARDIACA CONGESTIVA + HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTEMICA + DIABETES MELLITUS...

Antes de ir ver o paciente é preciso conhece-lo direito, e a melhor forma de você conhecer um paciente é olhar o seu prontuário... não existe um enfermeiro que faça uma ótima evolução de enfermagem sem conhecer o paciente... no caso deste paciente, seria necessário dar uma olhada no histórico de entrada no hospital, qual foi o motivo que o trouxe ao hospital, ver se ele já realizou alguma cirurgia anteriormente, avaliar a evolução do dia anterior, avaliar os medicamentos que o mesmo está em uso, os exames laboratoriais recentes do mesmo + RX / Tomografia / Cateterismo etc, saber se o mesmo possui marcapasso definitivo etc. A melhor forma de se conhecer um paciente é olhar o seu prontuário... Depois de feito tudo isso e anotado as informações principais, conheceremos o paciente pessoalmente, focando o exame físico nas alterações agudas do mesmo, e depois nas alterações de base do mesmo... Segue o exemplo:


03/08/2011 - 08:00hs, paciente J. P., portador do diagnóstico médico: ICC descompensado + HAS + DM, evolui hemodinamicamente estável, acamado, calmo, consciente, não contactua, afebril.

Mantém: Decúbito dorsal a 45º, SNE em Bic 10ml/h, Intracath amarelo em subclávia D com boa perfusão e sem sinais flogísticos, SVD com 500ml coloração amarelo claro e limpo, canula orotraqueal nº7,5 com fixação em numero 20 em VM, fralda, grades elevadas, monitorização cardíaca, oximetro de pulso, restrição de MMSS, protetores de calcanhar D e E.

Apresenta: úlcera por pressão em calcâneo D e E e região sacra grau 1 em tratamento.

Ao ex. físico: pupílas isocóricas foto+, mucosa ocular hidratada, pele corada e hidratada, não apresenta ganglios palpaveis em região cervical, não apresenta turgência jugular.

Ausculta cardíaca: rítmo cardíaco irregular a ausculta, com presença de 4º bulha em foco mitral, com presença de sopro em foco tricuspide e mitral, ictus cordis presente, palpável e visível, normofonético, 90bpm, PA do momento: 140x90mmHg, em uso de drogas vasoativas.

Ausculta pulmonar: Tórax simétrico e com boa expansibilidade, eupneico, 16ipm, murmúrios alveolares+, apresenta em base e terço médio bilateral estertores difusos.

Abdome: ascítico e distendido, indolor a palpação com Rha+ diminuidos e som timpanico à percussão.

Aparelho geniturinário: sem alterações visíveis.
MMSI: apresenta edema distal em extremidades porém com sensibilidade e perfusão tissular preservadas. Sinal de godet+.

Últimos exames laboratoriais: realizado coleta de exames hoje às 10:00hs, aguardando resultados.
Assinatura/Carimbo




---------------------------------------------------------------------------------------------


OUTRA EVOLUÇÃO DE UM PACIENTE COM DPOC + BCP...

03/09/2011 - 12:00hs, paciente P. K. portador do diagnóstico médico: DPOC + BCP evolui hemodinamicamente estável, agitado, consciente, não contactuando devido cânula orotraqueal porém comunicando por gestos e expressões faciais, acamado, afebril, não apresentou pico febril nas últimas 24hs.

Apresenta: hematoma em MIE devido queda há dois dias em casa segundo relato.

Mantém: decúbito dorsal 45º, cânula orotraqueal nº8,0 fixado em nº20 em ventilação assistida/controlada, SVD com baixo débito urinário, AVC em jugular E sem sinais de hiperemiação e com boa perfusão, fralda, grades elevadas, restrição de MMSS, oxímetro de pulso e monitor multiparâmetros.

Ao ex. físico: pupilas isocóricas foto+, mucosa ocular hidratada, apresenta palidez, não possui gânglios palpáveis em região cervical.

AC: RCR à ausculta, normofonético, 110bpm, PA do momento: 130x80mmHg.

AP: tórax simétrico e com boa expansibilidade, saturação 90%, apresenta roncos em base de hemi-tórax direito, e mantém 12ipm.

Abdome: plano, flácido, indolor a palpação, com Rha+ e som timpânico à percussão.

AGU: sem alterações visíveis.

MMSI: apresenta edema em extremidades de MMSI porém com boa perfusão tissular periférica.

Não apresenta úlcera por pressão.

Últimos exames laboratoriais: gasometria arterial indicando acidose respiratória, comunicado fisioterapeuta de plantão.
Assinatura/Carimbo

Obs. em caso de ruídos adventícios nos pulmões, roncos, crepitação, sibilos, ou qualquer outra anormalidade, quando exacerbada é sempre bom comunicar o responsável pelo procedimento, que neste caso é o fisioterapeuta, em caso de saturação igual ou abaixo de 90%, taquidispnéia... ou seja, qualquer alteração que estiver tendo com o paciente, é importante primeiramente estabilizar essa intercorrência para depois realizar a evolução. Falo isso porque existem muitas pessoas que vêem a saturação do paciente <90% e só anotam na evolução mas esquecem de informar o responsável para que o mesmo possa reajustar os padrões do respirador artificial e etc.

DEPOIS EU INVENTO MAIS ALGUMAS PARA DAR COMO EXEMPLOS... FUI

17 comentários:

  1. Parabéns pela iniciativa. muitos acadêmicos inclusive eu temos dificuldade com a SAE em si... particularmente a evolução de enfermagem.... sabemos até fazer mas na hora de passar para o papael... ai ai ai..a gente quebra a cabeça aqui e ali! Esses exemplos ajudam e muito, não que vamos copiar, mas já temos ideia por onde começar!

    ResponderExcluir
  2. curso tec de enfermagem no senac e estou fazendo tcc que no caso é um hospital pediatrico particular e só me faltava a evolução de enfermagem seu post me ajudou muito valeu. * cristal

    ResponderExcluir
  3. EU RONILSON GOSTEI DA SUA EVOLUIÇAO DE ENF.BEM ESPRICADO COMO QUE TEM QUE SER UMA EVOLUIÇAO DE ENF.MAIS QUE PENA QUE NAO E ASSIM NA VIDA REAL MAS NOS COMO PROFISIONAIS QUE TEMOS QUE FAzer a diferença.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns! Adorei sua evolução me ajudou muito.
    Obrigado

    ResponderExcluir
  5. Vc caiu do céu!! Estes exemplos abrem a mente, nos dá uma luz, um norte. Parabéns pelo altruísmo!

    ResponderExcluir
  6. Muito bom me ajudou bastante...obrigado!

    ResponderExcluir
  7. obrigado pela evolução, mas poderia fazer uma, relacionado a nossa realidade dentro do hospital.

    ResponderExcluir
  8. Parabéns! adorei, vai ajudar muito a todos que precisam e não tem muita experiência.

    ResponderExcluir
  9. Obrigada !!!

    ResponderExcluir
  10. como se faz uma evolução de paciente desde admissão,trasferencia do paciente ao C.C.(Centro Cirurgico)até o retorno p/ o setor eo primeiro dia pós operatório??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, em relação à admissão do paciente, não se faz uma evolução, se faz um histórico detalhado com toda história do paciente, exame físico etc. Agora a transferência ao CC também não é feita uma evolução, apenas quem está transferindo relata as condições que está encaminhando o paciente ao CC e quem está recebendo relata a condição de como se encontra o paciente, relata se ele é alérgico, se está em jejum, tudo que for pertinente ao procedimento, e no retorno do CC quem está recebendo o paciente aí sim irá fazer uma evolução, dizer como o paciente está após a cirurgia, se houve melhoras imediatas, e comparar a situação anterior com a atual.

      Bom, espero ter ajudado, assim que possível eu monto um exemplo... abs

      Excluir
  11. gostei muito me ajudou bastante,obrigada

    ResponderExcluir
  12. adorei pois não encontrei nenhum exemplo que pudesse me ajudar esse sim esta perfeito completo parabenssssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  13. adorei esta muito completo demorei p achar mais encontrei parabenssssssssss

    ResponderExcluir

Se você gostou, poste um comentário...